quarta-feira, 18 de março de 2009

Os caminhos da paixão.


Falar de paixão é sempre um assunto confuso e polemico, por ser um sentimento quase sempre arrebatador quando não é visto como uma estadia no paraíso. Não quero aqui levantar critica, porém tudo é válido desde que o indivíduo não perca a sua identidade.

A paixão é algo que vem antes do amor, poderá ou não anteceder a ele, entretanto nunca caminhará ao seu lado, pois é um passageiro fugaz, um furacão que invade com a mesma rapidez da maestria de uma chuva de verão.

É um sentimento exacerbado entre dois amantes, completamente cego por um fascínio que transpõem todos os limites. Segue sempre um caminho, os becos estreitos da vida.

Este sentimento quando bate a porta, não importa a idade ou a experiência de vida, pois ninguém está livre de ser invadido por tal emoção que ultrapassa a lucidez em função que o outro amado exerce sobre ela. É a plenitude da satisfação de uma sede insaciável sem pensar em nada do que poderá acontecer fora daquele mundo que é criado somente para o desejo incondicional achando que é “eterno”.

É como ondas em alto mar, que mesmo sabendo que são perigosas se navega por elas. Enfrentando as tempestades sem se importar com seus perigos.
A devoção é absoluta. As paixões são aventuras, mas também são novas descobertas, mesmo que seja um passageiro fugaz, vale a pena mergulhar nessas águas furiosas,e não apenas ficar esperando por uma manhã de sol.